Budo TaijutsuFilosofia

Artes marciais japonesas, diferença entre Do e Jutsu

imagem de 2 samurai treinando e ao lado um samurai imobilizando um inimigo

Artes marciais japonesas, diferença entre Dō e Jutsu

Qual a diferença entre Ju, e Jujutsu? e entre Ken, e Kenjutsu?
Se você pratica alguma arte marcial japonesa, deve ter reparado que algumas artes marciais tem o sufixo no nome (ju, aiki, ken, karate) e outras possuem o sufixo jutsu (ninjutsu, kenjutsu, jujutsu, ou Jiujitsu) e por que existe essa diferença?

Em japonês,  e jutsu são palavras escritas de maneira bem diferente. O kanji 道 () significa caminho, rota, jornada; por outro lado, 術 (jutsu), significa: arte, técnica, habilidade.
Analisando de um jeito mais superficial, podemos entender essa diferença entre as artes marciais como: Jutsu se referindo a uma coleção de técnicas, métodos e habilidades que envolvem aplicação prática em combate, as vezes de modo mais técnico. Já o conceito de , se refere a algo mais filosófico, como é o “caminho”, os exercícios se voltam para o desenvolvimento espiritual, em alguns casos chegam a parecer meditação em movimento.

O que a história nos diz sobre as artes marciais

Extendendo um pouco mais a explicação, os estilos jutsu, por serem formados por conjuntos de técnicas, visam preparar o indivíduo praticante para uma situação de vida e morte. Esta preparação vem de uma longa evolução marcial em ambiente de guerra, onde o guerreiro deveria estar preparado para sobreviver em campo de batalha a todo custo. Portanto, tais artes marciais, na atualidade, destinam-se a prepararam o aluno para se defender em uma situação de violência.
Ao observarmos a história do Japão, veremos que houveram longos períodos de conflitos internos, em que a prática de artes marciais jutsu foi necessário para os exércitos sobrepujarem seus adversários. No entanto, quando tais períodos de guerras passaram, alguns dos soldados, imaginando que suas habilidades de luta não seriam mais necessárias, passaram a adaptar as técnicas em exercícios que envolvessem meditação e controle corporal, com objetivo de controlar a agressividade e buscar a paz interior.

“O guerreiro japonês passou a comprometer-se a seguir um caminho de desenvolvimento espiritual por meio do treinamento marcial” (SOUSA, 2010, p.150) . (1)

Em virtude desse processo, muitos instrutores tiraram de seus estilos, técnicas que fossem letais ou que provocassem danos sérios aos adversários. Temos assim o início do desenvolvimento das artes marciais que levam  no nome. Isso ocorreu quando Jigoro Kano estruturou o judo, vindo do jujutsu. Ueshiba sensei, fez o mesmo processo ao formar o aikido, desenvolvido a partir do aikijujutsu.



Existe melhor e pior?

Há pessoas que dizem que artes marciais  não funcionam na vida real, existem também os que dizem que artes marciais jutsu são brutais. Em alguns momentos chegam a relatar inclusive que são atrasadas no tempo, pois se fixaram muito na maneira como os samurai lutavam na guerra, que hoje em dia não fazem sentido prático.

É importante ressaltar dois pontos em meio a tais argumentos: 1) Não existe arte marcial melhor ou pior, existe o estilo que se encaixa ao que o praticante procura. Pessoas que buscam paz interior, meditação e uma forma de equilibrar mente e corpo, com certeza vão encontrar nas artes marciais  ferramentas para isso. O contrário vale para quem busca artes marciais jutsu. 2) A discussão “melhor x pior” é limitada, pois  e jutsu se complementam. A aplicação do caminho marcial em busca da iluminação tem muito a agregar em uma arte marcial jutsu. Assim como, técnicas mais eficazes e aplicação de conceitos de luta vinda de artes jutsu agregariam a um estilo de luta .

sem jutsu é uma simples dança. Jutsu sem  é feio, terrível e brutal” (2)

Para a Bujinkan

Para nós que praticamos Bujinkan, devemos nos lembrar que o nome completo da associação é: Bujinkan Budo Taijutsu. Tendo em vista disso, há sim elementos jutsu predominantes em grande parte da arte marcial, já que é um estilo que deriva de 9 artes marciais. Praticamos as técnicas entendo o contexto histórico e ensinando o praticante a aprender que a sobrevivência é fundamental. Entretanto, o  em Budo, nos leva também a buscar um caminho para auto aperfeiçoamento e a busca da paz interior, que é o “caminho do guerreiro”. Sendo assim, podemos dizer que existe, na Bujinkan, este equilíbrio. Onde é necessário se ensinar a auto-defesa, mas visando a valorização da vida, tanto a vida do próprio praticante, quanto a vida do seu adversário, caso contrário seria uma selvageria.

 


Links de referências:

(1) SOUSA, F. D. M. Do conceito de Bun bu ryo do à atividade esportiva: a racionalidade moderna nas lutas marciais tradicionais. Dissertação – Universiade Federal de Goiás. Goiânia, junho de 2010. Disponível no link <https://pos-sociologia.cienciassociais.ufg.br/up/109/o/2010_-_Marcel_-_Do_conceito_de_Bun_Bu_Ryo_Do_%C3%A0_atividade_esportiva_(Disserta%C3%A7%C3%A3o_final_vers%C3%A3o_22-06-2010).pdf>

(2)  http://www.nakaima.ca/news/article_difference_do_vs_jutsu.html

http://thinkingmartial.blogspot.com.br/2013/07/the-difference-between-jutsu-and-do.html

http://www.minrec.org/wilson/pdfs/Concepts–Do%20vs.%20Jutsu.pdf


Se gostou deste artigo, talvez vá gostar destes aqui também:

O que é shikin haramitsu daikomyo?

Guerras Feudais e Ninpô

As virtudes do bambu: humildade

Comentários no Facebook