Filosofia

Você é um ninja? Ótimo! Eu sou o papai noel

O texto abaixo é uma tradução de um artigo do Dai Shihan Arnaud Cosergue.

O desenvolvimento da Bujinkan (cerca de meio milhão de praticantes no mundo), trouxe vários bons estudantes, mas também alguns ruins para o nossos espaços de treino. Esses indivíduos, não conhecendo a história, acreditam nos “super poderes” dos ninja como retratado em péssimos filmes norte-americanos, magás ou quadrinhos. Por causa deles, a nossa arte foi mal vista por muito tempo, desde os anos oitenta. Agora que a moda ninja terminou, alguns autênticos praticantes estão aparecendo. Porém a divulgação de mitos e lendas dos ninjas na internet está começando a recriar novamente o “sonho ninja“. É como acreditar que o Papai Noel vive no polo norte! Quando eu comecei a treinar, a “explosão ninja” estava no seu início e me lembro de ler alguns livros sobre ninja disponíveis na época. Parecia mágico. Não me lembro de confiar nessas estórias fantásticas que lia, mas elas definitivamente me fizeram continuar treinando.

Hoje essa “mania ninja” se foi e o grande desenvolvimento da Bujinkan pelo mundo substituiu o sonho do passado por algo menos atraente, porém mais interessante. A Bujinkan como imaginada pelo nosso sōke, Hatsumi Masaaki, é um sistema profundo, físico e filosoficamente que abandonou o “sonho ninja” deixando-o desaparecer nas sombras.

Será que o “sonho ninja” realmente se foi?

Diariamente no Facebook, eu vejo mais pessoas espalhando as mesmas fantasias que eram tão comuns nos anos oitenta. A internet não está ajudando os sonhadores a dimuirem. De fato, as vezes tenho a sensação que o mundo está voltando no tempo. Esse entusiasmo pela “mágica ninja” envolta em nossa arte, é erroneamente baseada em fatos históricos. As pessoas de Iga e Koga (parte sul de Iga)(1) eram humanos comuns. Eles não chamavam a si mesmos de ninja! Viviam nas areas montanhosas nos arredores dos centros japoneses e tinham desenvolvido um tipo de “república”, com sua própria economia, religião e sistema politico, herdado da dinastia T”ang da China. O seu idioma não era influenciado pelas comunidades vizinhas. Quando Oda Nobunaga e seu exército, “ofereceram” a comunidade de Iga para se juntarem ao processo de unificação, eles se recusaram categoricamente, lutaram contra os invasores e os expulsaram. Pelo fato de Iga ser um planalto rodeado por montanhas altas, era bem isolado do resto do Japão. As pessoas não precisavam de um exército, visto que eles tecnicamente não tinham inimigos. Em Iga não tinha samurai, apenas jizamurai(2) que lutariam apenas quando fosse necessário. O forte exército de Nobunaga voltou poucos anos depois. Nessa época, eles foram muito fortes para a pequena vila. Os guerreiros de Iga adaptaram suas habilidades de luta e desenvolveram uma guerrilha militar. A guerra durou em torno de 10 anos e é lembrada por historiadores, como a Iga no Ran, a guerra de Iga (3). Perto de serem derrotados, as famílias de Iga fugiram da região e se espalharam pelo país, levando consigo seus conhecimentos de guerra.

Ao invés de se tornarem ninja, por favor tentem se tornar verdadeiros humanos. Como Sensei disse “ninpō não é algo do Japão, é do ser humano”.

 


 

Referências:

1- Provincia de Iga
2- Jizasamurai
3- Iga no Ran

Comentários no Facebook