Budo TaijutsuFilosofia

Koto Ryu Koppojutsu

A história de Koto Ryu

*texto traduzido de uma postagem do Dai Shihan Pedro Fleitaz no facebook.

pergaminho de kotoryu

 

A origem de Koto Ryu é desconhecida, no entanto, foi possivelmente levada ao Japão de onde atualmente é a Coreia, por uma pessoa chamada Chan Buso. Não existem fontes de quando aconteceu exatamente, porém passou-se muitas gerações antes que o sistema fosse organizado por Sakagami Taro Kunishige. Levou mais duas gerações até que Toda Sakyo Ishinsai estruturasse formalmente Koto Ryu Koppojustsu como um ryu. Sakagami Taro Kunishige foi considerado como o primeiro soke de Koto Ryu, todavia Bando Kotaro Minamoto Masahide, o qual seria 2º soke morreu na batalha de 1542. Ao invés de Bando se tornar o soke, o Ryu foi para Sougyoku Kan Ritsushi, que também era soke de Gyokko Ryu. A partir desse momento,  Koto Ryu passou a seguir a mesma linha familiar que Gyokko Ryu; atualmente, o soke de ambos os Ryu é Masaaki Hatsumi e as escolas podem ser encontradas no sistema da Bujinkan Budo Taijutsu. A diferença entre as duas era que Gyokko Ryu só era assumida por uma pessoa que se tornasse o próximo soke de Koto Ryu.

O nome Koto Ryu significa “tigre abatido”, e para abater um tigre com os dedos as técnicas devem ser de uma metodologia quase brutal. Koppojutsu portanto, quer dizer destruir a estrutura óssea do atacante. A especialidade das técnicas de Koto Ryu é criar uma distância longa do ataque, e mover-se golpeando rapidamente para frente e outra fez para fora a uma distância segura. Tal movimentação é realizada entrando com um golpe de exatamente 90 graus contra a estrutura óssea do atacante, para provocar mais danos. Para fazer isso se requer bom timing e ritmo nos ataque defensivos, usando frequentemente yoko aruki (mover-se cruzando as pernas), sendo essa uma das especialidades de Koto Ryu. Uma outra parte importante do trabalho com os pés consiste em atingir o atacante em toki (a região superior do pé), golpeando ou pisando sobre ele, para controlar o equilíbrio do adversário.

Há de se notar também que a distância inicial deveria ser realmente grande, para que o atacante precise dar um grande passo, ou vários passos, para alcançar o defensor. Isso nos mostra claramente que Koto Ryu se desenvolveu em campo de batalha ou para combates no exterior e não para o interior de casas e lugares estreitos. Em Koto Ryu procura-se também olhar entre as sobrancelhas dos adversários, para que o atacante não possa ler suas intenções nos olhos. O atacante então irá crer que existe esse contato com os olhos, o qual provocará uma confusão estranha.

Outro método típico de Koto Ryu é o uso de metsubishi, com formas diferentes de cegar o atacante, ou acertar diretamente os olhos. O metsubishi era normalmente algum pó lançados nos olhos do atacante, poderia igualmente usar reflexos de luz sobre a lamina da espada, ou de outros metais, jogando contra os olhos para provocar incomodo. Por exemplo, ao se combater sob a chuva, um praticante de Koto Ryu permaneceria em mangetsu no kamae (similar a hoko no kamae com a espada na mão direita) e com a água sobre hi (lâmina da espada) jogava-se a água nos olhos do inimigo, antes que este efetuasse o corte.

Devido o caráter duro das técnicas de Koto Ryu, se requer muita disciplina de treinamento para tornar o corpo resistente. Takamatsu Toshitsugo (o soke anterior) começou seu treinamento de Koto Ryu quando tinha 9 anos e foi considerado um mestre em Koto Ryu no momento que chegou aos 13 anos. Em sua biografia conta-se que possuía os dedos das mãos e dos pés fortes por golpear pedras e cascalhos até que os dedos e as unhas começassem a sangrar.

O shakko ken (mão em garra) é um dos ataques usados em Koto Ryu. Há uma história de Takamatsu, que em 1960, foi chamado por um repórter da Tokyo Sport Newspaper chamado Koizume Shizuo, para que, literalmente perfurasse a casa de uma árvore utilizando o shakko ken.

Koto Ryu também tem uma forma pouco usual de utilizar a espada. Sendo uma das poucas escolas que, algumas vezes, inverte a pegada da espada, mantendo a mão esquerda próxima a tsuka. Isso permite múltiplas formas de segurar a espada, cruzando-se as mãos por exemplo, para confundir totalmente o atacante, convencendo-o, que o praticante de Koto Ryu era um oponente amador e muito fácil de se vencer.

Tecnicamente Gyokko Ryu complementa perfeitamente Koto Ryu e juntas constituem um sistema de combate. Também deve-se ter consciência que ambos Ryu têm seus próprios métodos, técnicas e movimentações, porém juntas envolvem praticamente todas as situações possíveis.

Se buscarmos na história poderemos ver que muitos ninja famosos estudaram ambos os Ryu: Koto Ryu e Gyokko Ryu. Um dos ninja mais conhecidos foi Sandayu Momochi, era o único dos chefes do povo de Ryugo Sanbonmatsu, e um dos defensores contra a invasão de Oda Nobunaga em 1581. Ele foi soke de ambos Ryu. Um dos estudantes de Sandayu Momochi foi Ishikawa Goemon, que chegou a ser conhecido e aclamado como o Robin Hood japonês. Goemon ficou conhecido também por tentar assassinar Hideyoshi Toyotomi, no entanto foi capturado e fervido no azeite. Algumas fontes dizem que ele conseguiu escapar, mas o shogunato nunca revelou tal fato, mesmo assim, deve ser considerado como um fato relativamente incrível.

Soke de Koto Ryu

  1. Sakagami Taro Kunishige Tembun(1542)
  2. Kan Ritsushi Tembun
  3. Toda Sakyo Ishinsai Tembun
  4. Momochi Sandayu Tembun (ca 1542-1555)
  5. Momochi Sandayu II Tensho (ca 1570-1592)
  6. Momochi Tanba Yasamitsu Bunroku ( 1596-1615)
  7. Momochi Taero Saemon Genna (1615-1624)
  8. Toda Seiryu Nobutsuna Kwanyei (1624-1644)
  9. Toda Fudo Nobuchika Manji (1644-1661)
  10. Toda Kangoro Nobuyasu Tenna (1681-1704)
  11. Toda Eisaburo Nobumasa Hoyei (1704-1711)
  12. Toda Shinsei Masachika Shototku (1711-1736)
  13. Toda Shingoro Masayoshi Gembun (1736-1764)
  14. Toda Daigoro Chikahide Meiwa (1764-1804)
  15. Toda Daisaburo Chikashige Bunkwa (18049
  16. Toda Shinryuken Masamitsu (1824.??.??- 1909)
  17. Takamatsu Toshitsugo (1909) (01.03.1888 – 1909)
  18. Hatsumi Masaaki (1968) (02-12.1931 – )

Comentários no Facebook