Budo TaijutsuFilosofia

Kyusho e Kiai – Pontos vitais e encontro do espírito.

*O texto abaixo é uma tradução de uma postagem do Dai Shihan Pedro Fleitaz González, o link se encontra no final do texto.

Do livro de Togakure Ryu

Os kyusho tem nomes diferentes dependendo da escola, de mesmo modo os pontos também se diferem; eles foram transmitidos de forma secreta, porém na realidade não existem muitas variações. Ainda sim, há algo a se frisar aqui, quando se golpeia os pontos vitais, existem diferenças individuais do quão efetivos eles são, e em vista disso temos dois tipos de kyusho: os que derrubam o oponente, e os kyusho para golpear quando está sendo atacado, para administrar reanimação e permitindo o movimento.
Os diagramas explicativos que são dados aqui são para a essência interior (Chugokui); todos eles aparecem no manual da essência interna. Baseados neles, existem golpes como a mão de espada, o punho, a ponta dos dedos, a mão aberta, o pé, o tornozelo, que levam o oponente a um estado de animação suspendida, ou restringindo a liberdade corporal. Esse tipo de coisas também estão escritas, por exemplo, em Muso-ryu, na parte de golpes básicos.
No Koppojutsu, isso se estabelece na transmissão inicial da essência do estilo, onde se explicam os nomes dos pontos vitais de koppo, os nomes das áreas corporais e seus efeitos. Saber de tais coisas consiste em ser capaz de, quando se golpear os 49 pontos, aplicar a ressuscitação, do contrário, o adversário falecerá; existem os pontos de agonia, golpes que em anos posteriores darão origem a complicações e doenças, pontos que extinguem temporariamente a vitalidade, pontos que suspendem o movimento durante 3 ou 7 dias, há também aqueles que suspendem o movimento temporariamente e os pontos de dor.
Este tipo de método se chama Goon no Kyo (Cânone das cinco portas); a medida que se avança no golpe, o praticante será capaz de perceber a essência de tais artes chamadas Toate, que derrubam o oponente através do poder psico-espiritual e Fudo Kanashibari (paralisar imobilizando). Com um golpe gentil e romântico de uma mulher, um lutador forte pode ser derrotado facilmente. O praticante não deve pensar que a aplicação do segredo dos pontos secretos vitais está apenas em golpear pontos de dor. O adversário não poderá se mover também quando o Kyusho o faz sentir bem. Portanto, estudar e conhecer os hábitos dos homens e dos animais é entender o potencial de se golpear os pontos de dor. Com isso terá com segurança a habilidade nas artes que fazem parte da história do passado. Por exemplo, há uma passagem de Miyamoto Musashi, que diante dos olhos de alguns carregadores de liteira, capturou uma mosca entre os dois hachi (palitos de comer) e a soltava, a prendia e em seguida soltava novamente. Os carregadores se assustaram e fugiram. Isto também aconteceu: quando Takamatsu sensei vivia nas montanhas, derrubou uma lavandisca (ave comum do Japão) com seu kiai.
No kiai (grito espiritual) existem três métodos. O primeiro é o kiai selvagem de “Estou indo!” que desarma a força psico-espiritual do oponente. Em contraste com o kiai vitorioso, um lutador assume a postura Teppeki no Kamae (posição da fortaleza indomável), um kiai de “Venha quando quiser!” que serve para avisar o oponente. O lutador se utiliza de kiai conhecendo o comportamento do oponente. Certa vez, um estudante, alguém acima de 5º Dan, vindo a me golpear junto com um grito espiritual, quando utilizei o kiai, ele foi repelido e caiu pelo tatame. Existem também  kiai para criar pontos fracos, expondo abertura no movimento do oponente. O kiai é vital. Deve-se treinar o Kiaijutsu junto com um grito forte. A técnica vocal Moko-issei (o grito do tigre feroz), esse kiai é para preservar a justiça.

 

Texto original: https://goo.gl/ssrG8t

Comentários no Facebook