Budo TaijutsuFilosofia

Primeira Barreira

Treinamento, segundo alguns dicionários significa o ato de treinar, ou ainda preparação prática de um aprendizado em qualquer área de atuação. Portanto, entendemos que treinar ou praticar um aprendizado é algo positivo e que leva a um automatismo teórico e funcional dentro de qualquer área.

Quando se trata de artes marciais ou conhecimento marcial, o caminho é o mesmo, porém deve ser realizado com certos cuidados com automações erradas.

Existem diversas didáticas e infinitas formas de se realizar uma técnica. Portanto, para facilitar, pensemos somente em três parâmetros: velocidade, intervalo ou distância (Maai – 間合い) e “verdade”.

Analisando inicialmente a velocidade, podemos perceber que, ao realizarmos um exercício ou movimento ao qual não estamos acostumados, temos certa dificuldade até nos acostumarmos com a execução.

Por isso, sugere-se que os movimentos sejam executados de forma lenta e com entendimento para que a noção de velocidade seja assimilada e, em técnicas mais avançadas, esta velocidade será modificada pelo termo “Timing” ou “Escolha de Momentos”, mas isso já é um assunto futuro.

Após o entendimento de velocidade, partiremos para a próxima etapa, o Maai.

O Maai (間合い), traduzido como intervalo ou distância, é o ponto chave de uma técnica. Ouso afirmar que Maai é o que define se uma técnica irá ou não ocorrer ou ainda se o Uchi Waza (打ち技) será suficiente.

O aperfeiçoamento do Maai advém de treinamento exaustivo, evitando-se ângulos errados dentro da intenção que Tori (取り) tenta aplicar. Se a intenção for “fuga” ou “desequilíbrio” de Uke (受け), o Maai será na diagonal para trás (Naname Ushiro), já para intenções de interceptar o movimento de Uke utiliza-se a diagonal para frente (Naname Mae).

Após o entendimento conceitual e prático de Maai, o terceiro e último filtro é a “verdade”.

A “verdade” reside no coração de todos, na forma de agir dentro e fora do Dojô e, neste caso, na intenção correta de golpear o colega e de se entregar de forma real aos treinos.

Quando há “verdade” no treino, o Maai de Tori ficará correto e a velocidade pode ser explorada de forma correta.

Portanto o que leva a um estudo proveitoso das técnicas não tem começo nem fim, são três pontos ligados que dependem um do outro. Tendo isso em mente e aplicando estes três pontos sempre durante as aulas, quebraremos a primeira barreira.

Texto original do blog do sensei Oldan

Comentários no Facebook